quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Eu queria a Patrícia e a Diane
Declamando Ilma
Um Veloso Polyane
Cheio de Fontes

Adoraria o Ivilmar
Invadindo praças
Ruas, estradas
De mãos dadas com a Rosana

Ver a Gigi e o Eduardo
No cordel e no repente
Rimando sextilhas
E transcendendo mentes

Queria o Monteiro e o Venâncio
Debatendo Brecht, Stanislavski
Falando sobre Artaud
Montando Rodrigues

Desejaria a Tânia
sem Soares, com MAria
Cantando ao meio-dia
Um poema cifrado

E o Feolli
Unindo Jacyara e paula
Para nascer uma atriz:
Mayara

A galera reunida
Numa roda colorida
Num sarau improvisado
Num antigo funeral

2 comentários:

Aimée Freitas disse...

Se na posse me consome
Se no fundo é profundo
Se na mente é minha gente
Se o escuro é o fim do mundo...

Diria que para mim nada terminou.
Terminei namoro,
Diminui a frenquencia na casa rdc...
Só comecei a começar um novo amor...
Um amor que vou querer compartilhar com você

O amor próprio...

Que com ele ganhei alguém que se apaixonou por mim
Que ganhei minha personagem Estelle...
Que consegui me descobrir e me achar...
Já não sou mais a mesma pessoa...
Sou muito melhor, aliás! kkkkk

(Sinto agora aquele abraço gostoso que você me deu na rua da cultura)

Amo-te... adorei essa poesia^^

Fláviabin disse...

É pq as vezes dá uma saudade da vida que foi e até da que não foi e a gente só imaginou sentados ali no banco do curral...
Eu sinto saudades dos livros que ainda não li... mas eles não me encontram...

bjOOOs