terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Não acredito - ela bradou sentindo falta de ar: tossiu. - Isso, essa porta sempre aberta, vinho sempre posto sobre a mesa, essa conversa agradável e esses incentivos, amor. Não consigo amar com incentivo. - Escorregou pelo dedo o cigarro. Gostava de roçar o filtro em na carne dos dedos. Sentia-se humana.
Ele não olhou, virou pela garganta mais uma dose e lambeu as pontas dos dedos. Era sempre o sinal de desagravo, durante as brigas. Simbolizava a indiferença, representava a imagem de desaprovação aquelas palavras ditas por ela.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Manifesto ao teatro II


Que não tenhamos que sofrer tanto para demonstrar nossas capacidades! Que a recompensa venha e acabe com toda forma de escravidão e prisão de sonhos que se sonha. Que não precisemos nos desiludir cada vez que haja uma partida, e que não temamos a partilha. Desejo o coletivo não imposto, mas participativo. Herói de comunidade sempre se torna um covarde na História. Não quero discutir politica, sejamos apolíticos para politizar. "O teatro não deve ir ao poder, mas sim o poder ir ao teatro."* Preciso de mais oportunidades entregues realmente, não seguidas de desconfiança, desrespeito e humilhação. Quando verdadeiras pessoas de teatro vão surgir para me tornar um verdadeiro ser humano de teatro? Quando entenderemos que atuar não é um favor, nem divertimento -apesar de divertir - e é um trabalho, que cansa e precisa ser pago, se não com honorários, - o mais justo - com dignidade, gratidão e respeito. Quando ser apenas artista vai bastar? Desejar mais de um artista que sua arte é não entender a concepção de um e do outro e não perceber o quão importante é o seu trabalho. Porque artista é pau pra toda obra sem precisar assinar ponto, nem ser supervisionado. Quem supervisiona simplesmente não faz. Não faz arte, nem coísissima nenhuma. Apenas assina ponto...Quem sou eu? Pra quê falar dos meus títulos! Há poucos sim, mas há cinco anos de muita imaturidade superada, de muita corrida atrás disso que queremos e de conquistas boas, em prol de um coletivo que não é meu.
Se é ressentimento, rancor, despeito, dor de cotovelo? Não. È apenas memória sendo feita. Porque um dia alguém vai ler isso e perceber o quão cruel é o mundo lá fora que não permite que cresçamos aqui dentro. A culpa é de muitos, até se chegar na injustiça de hoje, com o estopim doméstico, há tantos setores, tantos absurdos, tantos sonhos aprisionados e escravizados por tantas mãos que nunca vi. Se há vontade de parar, de desistir, de esquecer? Há. Muita. E não é covardia, falta de senso, preguiça... É apenas um ferro que dilacera o peito há anos. Que nos deixa um bagaço como puta velha, como a Neusa Sueli. Porque cansa acreditar no outro, e desacreditar sempre. Cansa ver tanta gente sendo iludida, enganada com falsos talentos. Vá ver que estou nessa legião de enganados. Eu quero um pouco de honestidade para a gente, nós todos, que lutamos a ferro e fogo e sempre nos fodemos com o cú do outro na mão. Porque no nosso há sempre mais merda não é mesmo?
Quero mais vontade de vencer, de criar, de permitir ao outro a viagem. E se caso haja poltrona para outras pessoas, porque não embarcamos? Ora, seria tão simples se permitissimos à todos conquistar seus sonhos. E viajaríamos muito mais. Não há apenas uma forma de fazer. Não há apenas uma palavra última monárquica intransigente. Quantas vezes calei por respeito, não a representação de outros, mas respeito aos seus sonhos, às suas vontades. Sem que para isso julgasse seus meios. Hoje sei que influência é uma via de mão dupla. Mas má influência nunca cometi. Não aqui, nesse sonho que sonhei junto-sozinho-junto-sozinho.
E se acaso decidi que não vale mais a pena, valeu muito até agora. Certas certezas não se apagam. Mas chegou a hora de relembrar o menininho que se via na revolucionária da escola, que não admitia injustiça, preconceito. Hora de perder, pra ganhar em outro lugar

*Ilma Fontes
** Qualquer coincidência é mera semelhança

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009


Você já saiu de casa? Arrumou suas malas, ou foi posto para fora?
Quando era criança eu tinha essa mania. CHorava horrores. Aos prantos ia jogando as roupas dentro da mochila: shortes, camisas, cuecas, escritos. Jogava tudo dentro, mas não fechava o zíper. Sentava e enxugava as lágrimas amargas de um filho incompreendido. Então, minha mãe vinha sentava ao meu lado e me dizia algo reconfortante. Quando era meu pai, mandava que tomasse um guaraná com biscoito recheado. E aí eu me conformava, a rua era perigosa, não tinha dinheiro e os amava. Além do mais adorava guaraná com biscoito recheado.
Agora, é a hora de arrumar as malas, mas não há shortes, camisas, cuecas, escritos. Há apenas algumas técnicas incorporadas ao corpo, algumas certezas de vida que serão postas à prova. A convivência com duas ou três pessoas adoravéis. Não verei mais os defeitos de Cacilda Becker, não ouvirei os sábios conselhos do velho-novo autor, não compartilharei do silêncio mais reconfortante de uma peste.
Seguirei dias mais amenos e poderei conferir aquela série de tv tão querida, receber familiares com calma, discutir em sala de aula as leituras da véspera, escrever bons artigos científicos - pena que não dá mais para tirar um 10 no James - . Poderei ficar de bobeira, ler um romance de Veríssimo. Sonhar mais com meus próprios projetos. Montar as bonecas de Luzinete, porque não? Correr atrás dos velhos amigos e implorar atenção. Engordar alguns quilos. assitir sessão da tarde, me irritar com o tédio do domingo, escrever algumas cartas (escrever um conto, escrever um romance que não terá fim, escrever uma nova peça que será engavetada até que outra seja escrita).
O que não pode acontecer é sentar, enxugar as lágrimas, esquecer as afrontas, deixar o zíper aberto, contentar-se com migalhas. É preciso sair de casa dessa vez. Não compactuar mais com a representação equivocada de um pai. Dar adeus a um trabalho sem recompensa moral, nem ajuda de custos. Não precisar medir palavras. Crescer. E te deixar aqui... afundando.



terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Uma história de parafusos

Certa feita, eu me assustei com um livro didático de História. Falava da industrialização no tempo das grandes guerras, e mostrava com todas as letras que os trabalhadores serviam apenas para apertar parafusos, e por isso lhes era negado o pensamento crítico. Então, tentei uma área que não me colocasse nessa posição, mas percebo que nela sou o próprio parafuso. Este que ao afrouxar deve ser substituído por outro, que não esteja enferrujado das maresias que desgastam qualquer integridade física química, e principalmente psicológica.
O caso é quando a ponta e as curvas do parafuso se adaptam ao buraco em que viveu socado. Quando está impregnado de poeiras das indústrias fétidas e sabe que não servirá para outra martelada, e o que lhe resta então, senão sucumbir à caixa dos parafusos usados que passam os dias ameaçando greves contra os industriais. Greves que nunca saem dos sonhos porque os parafusos precisam da aceitação de todos os membros parafusos que se negam por estarem profundamente socados no velho buraco que a cada dia cresce e se distorce.
È quando o atual parafuso passa a velho e esbarra no antigo, mais velho ainda, que zombeteiro deseja dias piores por não ter cavoucado em mais poeira. Com o tempo passa a esperar que o novo parafuso envelheça e seja retirado do seu posto na mesma condição.
O mais triste não é a propriamente a substituição, mas os momentos anteriores a ela. O momento em que se adquire o novo parafuso, a hora em que lhe tira o objeto que sustentava durante todos os dias. E o mais temível a chegada do martelo para lhe retirar do trono e martealienar o novo parafuso. O parafuso velho nunca é jogado fora, apenas vai parar numa caixa de costura, numa velha gaveta, sonhando ter serventia ainda.

ps: Apenas uma metáfora para dizer que o fim chegou e não há mais pão doce!

sábado, 26 de setembro de 2009

"Um dia estando entre nó o Atlêmtico
Senti tua mão na minha
Agora, tendo a tua mão na minha
Eu sinto entre nós o Atlântico"
(Drummond)


O banco não suportou o peso das nossas reflexões: Cedeu. Em estampidos surdos que só eu ouvia foi ao chão. Assim como outrora foi ao chão nossa relação incompreendida. Havia o Mar Morto entre nossas pernas. Que de olhos fechados tentava encurtar e eu de olhos abertos alargava. O banco de passageiros espatifava-se enquanto você estava entregue ao sono eu ao silêncio.
Adormecido, parecia morto. Mas eu te tinha em mente são e vivo. Durante o longo trajeto esperei por um interrupção, um pedido que aliviasse aquela espera. Que me deixasse desculpar-me pela ausência de culpa. Em minha mente repetias:
- É um distúrbio!
E eu te respondia:
- Te pago um analista. Fora das paredes da minha casa, és minha família.
E percebo agora que debochava. Sarcástico, sádico: ria. E a vodka não barata omitia esse detalhe tropêgo, assim como as tuas ações soturnas. Compreendi que o fator sexual importava, imolava, enquanto para mim é algo trivial.
Comentaram sobre teu corpo, sobre o teu preço. Te compararam a um vestido numa vitrine. Como aquele com uma rosa de brilhante que detonou com a Leotina. E me disseram:
- Como numa vitrine, apenas para olhar.
E eu respondi:
- Talvez compraria.
E outro me disse:
-Compraria e não usaria
E eu reagi:
- Compraria e guardaria no melhor dos cabides.
E usaria até o desuso. Até as primeira manchas, os primeiros furos. Usaria numa alucinação diurna, diária, diacrônica, jamais sexual. Porque é tão difícil entender que o Gozo é infinitamente menor que o Amor?
Entendi então que fugiu, de um confronto desnecessário. E após ter me feito de palhaço, me tornava tolo. Retornei realmente ao jardim de infância onde implorava do outro lado da rua, separado por uma faixa de pedestre, um abraço.
E empunhou uma chave, mas eu não tinha nenhum cadeado. E esperou até o último instante para saltar. E eu imaginei que continuaria. Fechei o livro e pensei em te dizer que evitei ler a morte da Ùrsula. Talvez incentivasse que eu devorasse a solidão. Então quando as portas se abriram foi o último a descer se despedindo . E eu senti falta da mão estendida que recusara. Percebi entãoi que jamais a ignoraria novamente. E eu disse quase sem força uma despedida. Mas não olhaste em minha cara. E vi suas costas pela janela. E meus olhos secos arderam áridos.
Então repeti que nada significava. Pensei em escrever. Mas receei que se tornasse apenas linhas. Desejei um conto . Porém era pessoal demais para ser subjetivo. E conclui:
- Basta pôr um título

domingo, 6 de setembro de 2009

Minha vaidade era medida pela tua preocupação. Com aquele jeito viril e preocupado de pai que me falava certas coisas que me faziam repensar os sonhos e os ideais repetidos. Ali, cercado de tanta disputa infantil, de tantas outras vaidades eu me sentia mais. Mais porque seu discurso me autorizava. Me permitia discretamente ser quem queria. Hoje vendo essa proteção ameaçada pela direita e pela esquerda, eu reajo brejeiro, rosnando meio bicho. E não se trata de amar ou desamar. Não é paixão´, é algo que só minha bobagem explica.

domingo, 30 de agosto de 2009


Se para nascer o amor for necessário o sacrifício de um rouxinol, prefiro não amar.

Quanto tempo. Nos provamos preconceituosos, e consequentemente, humanos. O preconceito deve ser cultural, mas não quero tratar sobre cultura agora. Depois da nossa projeção, tendo o link exposto no jornal Cinform se torna necessário não te tratar como um diário. Está na hora de começar a fazer os pré-projetos que o WIlton indica em sala de aula. Escrever não pode mais ser entranha, vísceras e esperma. Escrever agora é mapeamento, matemática, lógica? Como escrever coeso coerente se vivo caótico? Meu processo criativo não é tecido, e se texto é tecido, os meus vivem em profunda descostura. Não sei alinhavar as ideias, e não quero ser lido. E não minto, se escrevo algumas coisas são puramente por algo maior que a receptividade que possa causar. Temo todos os pedestais que se colocam a minha frente. Pois o tombo é bem maior.Tenho medo dos tombos, das quedas, das chagas que podem me marcar. Eu não lido bem com muitas coisas. A minha vaidade é vaidosa ao ponto de querer existir sozinha. Eu estou inundado de lugares comuns. Não sei concluir bem.....

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Ela já o notava há dois semestres. Ele era frio e sulista o suficiente para se passar por esnobe. Ela tentava o olhar nos olhos e dizer o quanto o admirava assim, torto e tímido, mas ele não tirava os olhos do café quente que o tranquilizava na matina. Conhecia os gostos dele por literatura e sonhava em discutir os contos, as frases que a alucinava. No entanto, ele era imensamente interessante para o seu apetite, e, mesmo desejando beijá-lo horas a fio, não podia degluti-lo nem mordê-lo, muito menos mastigá-lo porque ele era aquele tipo de doce fino de festa de casamento, daqueles que embelezam a mesa e é pecado comer.
Um dia, meses depois de encontros em corredores com café, olhos, e livros embaixo do braço e entocado na mochila, ele se encontram novamente. Dessa vez, numa sala pequena e apertada com quatro paredes sufocantes e asfixiadoras, ele era o tirano do giz e ela a torturada presa a uma cadeira de onde desejava sair imediatamente.
Cabelo detalhadamente cortado, camisa listrada azul e branco, e café na mão, não pronunciou uma única palavra até terminar o café de outro corredores intermináveis. O café por alguns momentos era tão melhor que ela. A cada gole percorrido na garganta ela era tão pequena. O copo virado a tornava inferior e se encolhia cada vez mais. A caixa toráxica se espremendo entre os ombros. Até que ele se apresentou e trocou algumas palavras com ela. Então disse como quem comenta frivolidades:
-Já me aconteceu isso.
E ela saiu como se pisasse em plumas brancas, esperando o próximo encontro com as mesmas paredes "sartririanas", o mesmo giz na mão e o café sempre presente mas prestes a ser jogado no lixo em troca das palvras que ela pretende proferir.

sábado, 18 de julho de 2009

Eu não concordo!


Detesto essa visão de teatro tendo o texto como acesório. É injusto com o autor considerar suas palavras como uma pulseira que adorna o punho. Não. Também não acredito que ele é o mais importante, que deve ser decorado piamente e dito com cada preposição e conjunção. Sendo imperdoáveis as trocas de palavras, de ordem. O autor também erra. Assim como o cenógrafo, o figurinista -lembrem-se da roupa de Ismene, amarelo-ovo é azar na certa - o diretor. Acredito num processo em que se priorize todos. O texto deve ser bem dito, e bem interpretado. Caso contrário transformamos uma cena bela rostoxrosto numa comédiazinha barata com vassoura e celular. Não sei. Não é simplesmente porque hoje escrevo, mas já pararam pra pensar se mudassem o câncer no seio da Geni para uma leucemia? Teria uma tremenda diferença. Já pensou de matam a Judite com uma arma e não com veneno? Há certas coisas que se perdem quando o texto não é priorizado, assim como um ator sem um corpo que se expressa bem, ou uma voz danificada acrescentam puco. Acredito que o erro é se prorizar alguma coisa e não permitir o pensar teatro como a comunhão de todas ela. Tudo importa, e o ator tem de estar apto a lidar com todas elas, por mais que pareça muitas vezes impossível.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Inconstante:sou eu!


Me batizo asssim. Foi a primeira palavra que busquei o significado num dicionário e nunca mais esqueci. Me lembro inclusive que a palavra se referia a moçinha de "A Moreninha". A partir de então, eu passei a ser aquilo que a palavra me pulsava, o que ela me falava em cada enigma proposto. Há palavras que possuem essa força interior. Algumas palavras se comportam como gente, com sentimentos, ações... Veja a palavra Céu por exemplo, ela revira minha cabeça e me deixa feliz só de pronunciar: "C-É-U". Vocês precebem que é uma entrega.?Sentem como se uma virgem se doasse a seu amado? "Céu" é mais que doar-se, é um dar-se, não apenas sexualmente, mas inteiramente, interiormente.

Um amigo meu, era gamado na palavra carrrrrrrne, criptonita, pacto. Ele virava latino por causa dessas palavras, algo sensual brotava dos lábios dele, da língua. Mas ele só era assim: envolvente quando se utilizava da palavra carne. Eu não sei porque, mas carne a partir daí passou a significar cemitério para mim. Foram as imagens que ele deixou guardada.

O que me dizem da palavra "Sangue"? Há algo mais adocicado?

Eu aconselho a qualquer um, faça a sua lista de palavra e se delicie!
Saudade: Outra palavra

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Luto à minha criatividade!


Eu sei que mereço tudo isso. A resposta de tanta dedicação ao teatro sempre vem no fim de cada semestre. Agora, depois de ter visto aqueles meninos do Alcebíades, eu tenho uma certeza. Uma certeza que não condiz muito com minhas últimas atitudes. Está bem. Continua tudo caótico, mas eu cansei de ter as piores médias da faculdade. Cansei definitivamente de não me importar com a média, em não ser um bom aluno. Preciso urgentemente paparicar os professores, reproduzir o que desejam, assim eles ficam satisfeitos. Eu gostei daquele meu trabalho, sabia? Achei adorável analisar a frase "Vista seu pulso. Juliana Paes veste Orient". Eu me senti importante, e pela primeira vez na vida, consegui ser acadêmico. Dessa vez, eu não deixei ao cargo dos outro, nem permiti que ninguém colasse nosso trabalho da internet. Fiz com meus neurônios embrutecidos pelo fardo do teatro. Fiz num amor e dedicação que eram meus. E eu cheguei a pensar que o resultado seria satisfatório. Mas não, ele veio com uma aspecto terrível. Sabe, às vezes me iludo que escrevo bem: foi um puro engano que bons amigos me deram. Agora está explicado as péssimas notas. O meu 7.5 em meio aos 10 dos colegas. Agora eu entendo a minha nota da redação do vestibular. Eu sou um acadêmico fracassado, eu sei. Meu Deus que bom que meu irmão é o modelo porque assim alguém na família se salva. Pelo menos. Pode parecer arrogância, mas sou o aluno mais interessado..... Ah! Meu Deus! Quanta contradição! No fundo eu queria provar que era suficientemente bom para àquele que admirava bastante. Mas não, não o sou nem suficiente! OH! Odeio o James!

domingo, 5 de julho de 2009


-E se eu não gostar de artes o que é que tem? Se não curtir literatura, dança, teatro. SE achar o Machado de Assis um saco, o Caio Fernando Abreu muito viado, a Maria rita superficial? Se penso que Janis Joplins é apenas mais uma drogada, quem pode me contradizer? Caso não tenha lido o Cervantes, mandado o Camões ás favas, e chamado um terapeuta pro Rodrigues, vão me condenar? Só porque não escuto o Buarque, detesto tango argentino, e não entendo patavinas das viagens da Clarice... Não estou certo de achar o Guimarães Rosa um desocupado, o Lins do Rêgo um fracassado e o Jorge Amado um tarado? Se prefiro chá de camomila à ballet russo, se não terminei de ler o Dostoiévski, se a Angela Rôro irrita meus ouvidos... Se pra mim Picasso é carro, Foucault é phoder em hindu e Paim rima com capim, qual o problema? SE não admiro o som dos Los hermanos, se acho a Cecília brega e a Pagu puta, se adoro dia de chuva, o que eu tenho?
- Depressão!!!!!!!!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Não. as lagrimas não irão cair. Já esperava por essa notícia virtual. Já previa isso, e confesso que demorou bastante. Deve estar realmente feliz, fiz as contas e me sobrou apenas vergonhas e tristezas. Quanta vergonha tenho de toda uma farsa que pintamos, mas que acreditei piamente. Agora, tenho medo de me envolver novamente. Tinha medo de se machucar e eu que sai ferido. Há apenas miolos de tédio e saudade emaranhado em pedidos ímpios de mudança. Estou assujeitado de tanto que me anulei a você. Fui viril o suficiente, mas agora não sei mais. Você me tomou tudo com hostilidade. Nem mais sei fingir com sorrisos infantis. Estou velho e gasto, não vejo futuro nas minhas mãso, não vejo poesias no que escrevo. Alguém abra a porta por favor, porque aqui é escuro e infernal. És o meu inferno. E sinto uma falta danada dos ciúmes inventados, dos beijos dados obrigatoriamente, das dúvidas que teimavam em não ir para a cucuia. Sofro meses depois, sempre é assim. A ficha demora a cair e sofro só

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Coleciono verbos transitivos. Diretos ou indiretos, tomo-os como comprimidos tarja preta. Eles tentam inutilmente dar ação a minha vida. Achei o sentido do ser inútil. Sonho com tantas coisas, planejo tantos sabores, pintos as dores de preto e branco para não fugir delas. Mas nada afasta esse niilismo impregnado na pele. Amores são farsas que alimento por pura hipocrisia. Tenho medo de estar sendo moldado para não gostar de gente. Há coisa pior que não gostar do próximo? De não sentir o outro como sua continuação? Se estou sendo assim, sou verbo de ligação com sujeito assujeitado.È melhor então não ser.

terça-feira, 23 de junho de 2009

"O desamor é brutal, em si mesmo, mas quando a quebra do amor é inesperada, então se torna devastador. O amor tem disso:parte-se, quebra, morre e também mata. O amor satisfeito engole toda a dor do mundo, mas quando traído, humilhado, vomita toda a dor que sente o ser humano rejeitado, desarmado. Uma palavra, um gesto impensado, uma atitude e o amor se esvai, fatal, irreversível. Desculpas, lágrimas, juras, arrependimentos, nada cola o amor quebrado, nem o suicídio. O amor precisa de cuidados, atenção e carinho como tudo que é vivo. O amor partido, como o cristal, não tem mais jeito, não se une. Difícil é você se acostumar com o deserto do outro"Ilma Fontes

quinta-feira, 11 de junho de 2009

As pessoas estão indo embora Excelência! Isso não atiça seus nervos? POr mais negrura, querido, por mais crueldade que apresente, demonstra nos olhos triste que sente falta a cada partida, a cada abandono que te dão. As pessoas cansam de maltrato, descaso, ironias, e rolhas aumuladas. Você não manda em nenhum Olimpo. O que mais me irrita são os seus rompantes paternais. As pessoas não são insubstituíveis não é mesmo? Alguém vai te substituir um dia, quem sabe. Crápulas e canalhas temos aos bandos. Espero o dia em que teus discursos infundados e rídiculos sejam desmascarados.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Eu que estraguei nosso bemquerer meu bem. Eu que distante e incerto causei incerteza e dúvida. O traidor, o que não cometeu pecados por falta de oportunidade. O que sabe amar torto e amargo, o infeliz. Eu plantei todas as minhas tristezas. Devo ser mesmo assim, extremismos de felicidade pedem infelicidade, tristeza e dor para manter o equilibrio. Foi com o rompimento que te amei, que senti saudades e te quis. Mas estou retalhados de dores e me sinto humilhado. Não prescreveste nada. Estou humilhado por caminhos que trilhei ao seu lado e que previ. Eu quis sofrer, quis ser piada, farsa. Só não esperava me envolver tanto, não esperava te querer ainda

domingo, 24 de maio de 2009

Amar o teatro não em mim, mas no outro


Pensei que havia experimentado o teatro no outro ao contracenar com Aimée uma cena simplória, onde uma menina faz um avião para um garotinho que vende jujubas. Rimos tanto, que escorregões não nos detiveram. Recebi texto no colo, e participei mais como expectador ativo que como um ator. A velha história do ator escada dessa vez não me feriu, ao contrário, me mostrou como ser simples, quase invisivel traz holofotes gritantes à cara.

O teatro no outro não se restringiu apenas a doce Aimée, com gosto de chocolate quente. Hoje me toma minha menina Lara, tão ingênua, tão tímida ao cobrir os seios sujos de argila com os ombros. E como duividei da sua competência, da força que se escondia nos seus fragéis braços. Me provaste dia após dia, que cobrir-se dos pés a cabeça de argila era bobagem, que era simple encaixar minha flácida máscara em meu rosto repleto de longos cabelos, que me segurar contorcido tirava de letra.

È a ausência no palco que mais me marcará.

Te amo Lara e obrigado por tudo!

domingo, 17 de maio de 2009

Amorfo Amor


Amorfo amor devora-me sem cor, sentidos ou qualquer outra forma de traço. Amorfo amor, degluti-me antes que amanheça e percebam nossa ausência, meio Calcanhoto e Caetano: antropofagicamente lento. Antes que atravessem esse oceano amorfo do nosso amor que separa nossos continentes. Amor, fora é só traçados que não me cerceam. Paremos então nos cumprimentos de todos, nos olhares incrédulos, e permitamos que vejam, que olhem que parem. O que interessa são as nossas linhas descontínuas, nossas nuances, nossos espirais incertos. Caminhos amorfos formam amores fortes. Festejemos então oh, querida. A primeira partilha será como a última: sem formas. O meu amor amorfo amadurece como amoras apodrecidas. Repito isso, pois é minha forma amorfa que transparece assim amor. E se apodrecer, haverá próximas primaveras próximas para realçar outros amores amorfos, sem formas como o nosso, para que sejamos eternos e únicos.

domingo, 10 de maio de 2009

Vou me trancar no banheiro e manchar as paredes de dor, para que nunca mais me diminuas. Enquanto pinta as unhas doloridas de vermelho, eu naufrago nessa volúpia de ser quem não sou. Me detenho à minha mente doentia que implora oportunidades que não virão. O mundo não é um moinho, o mundo é cerceado e corrompido de perfis. O perfil da heroína, do don juan, da criança antipática. Eu preciso ser trabalhado, tecido, emaranhado em algo mais que desejo mesquinho.
Não preciso, nem quero ser guisado nem mexido de insensíveis que não compreendem como as coisas funcionam na minha cabeça. Há muita pressão e pouca reflexão.Aaaaaah!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

A ARTE DE ATUAR


O verdadeiro ator é aquele que se apresenta para qualquer público. Como o palhaço mambembe da ATALAIA NOVA/CENTRO. O ator não se amostra, o ator não ostenta vaidades e belezas. O ator é feio e só tem graça quando incorpora outro personagem. A arte de interpretar não pode ser vista como um mero deslumbre, como uma roupa nova e repleta de decotes. O ator não é uma menina mimada. Muito menos um trago de cigarro. O ator é versátil e flexível. Ele traz na bagagem a experiência de vida e a imaturidade de quem sonha. A arte de atuar não tem a ambição de enriquecer, nem o deslumbre de se amostrar. O ator silencia diante de seu personagem. A sua divulgação é a sua cara, que é a dada à tapa de sol a sol, dispensando tratamentos de beleza. O ator ama o teatro e não o que ele pode te ofertar em bens ou em idolatria. O ator não usa o nome do teatro em vão. O ator aprende com uma personagem e volta a ser analfabeto para interpretar outra. O ator não tem preconceitos. O ator abraça outro ator e se vangloria com o talento do outro. O grande ator interpreta qualquer personagem. O grande ator expressa sua opinião, mas não a julga verdade absoluta. O ator ama qualquer forma digna de interpretar. O grande ator considera qualquer ser humano um ator. O ator tem como seu maior concorrente e como seu maior amigo o povo, de onde extrai sua arte. O ator só engrandece. O ator concilia. O ator se ama em cima do palco e na platéia. O ator ama seu personagem e o seu roteiro. O ator coleciona interpretações.

domingo, 12 de abril de 2009


Respirando aquilo que as folhas dessas árvores tem a me oferecer: penso! Em todos os olhares de revolta lançados durante a semana, nos beijos dados outrora. Na insegurança que paralisa a escrita na terceira linha do texto, na confiança dada cheirando a atestado de incompetência.
Tenho refletido sobre cada comentário ácido e laranja que tenho pronunciado, e talvez esteja errado. De fato, não é a melhor forma de combater as farsas representadas pela mocinha puramente santa. Quem sabe deixá-la a seu bel-prazer até que haja a verdadeira revolução em sua mente? Ou quiça permitir que permaneça mergulhada nessa farsa que falseia as paredes desta tua vida vazia?
Como me sentir seguro agora? Com o teu atraso, com a ausência dos teus telefonemas, com o seu estado civil permanente? Temo que meu cheiro não tenha impregnado totalmente tuas carnes, que os seus velhos sentimentos tenham te tentado, e que minhas palavras esvaneçam. Que o arrepio dure e cale tanto silêncio.
Degustei muito glacê branco e adoçei a vida. Vida boa, textos ruins. Mente sã, poemas coxos. Essa falta de poesia e prosa na minha vida anda subestimando-me. Como prosseguir com os sonhos que ditam as palavras, se há apenas preguiça, sono e paz?
Não quero que a confiança depositada se quebre, pois dela depende minha estadia. E estar, me preocupa muito. A alma negra espera que eu sucumba, mas sucumbir neste caso é ser covarde. E pusilanimidade, só a 16... Jà passo dos 18

quarta-feira, 8 de abril de 2009


Machucada e ferida revigora-me sempre e cada dia mais! que teu cheiro e meu cheiro seja um só. E que dure! Pois talvez, eternidade é o momento há pouco, onde fui tão feliz. Banal talvez essa necessidade de carinho seu, essa ânsia que se dissipa no ar com sua ausência. Tua boca: arrepio, tuas mãos: sofreguidão. Que dure, que cure!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Maria Antônia está se aproximando ... Anelando seus cachos dourados... Prepare-se

sábado, 28 de março de 2009

Antigooooooooooona.... Já estava na hora


Depois de anos - leia-se dois - de intenso processo e trabalho árduo, finalmente a já antiga Antígona estreou na estreia da Sala Sergipana de Espetáculos ontem no dia internacional do teatro e do circo (27/03/2009). Casa lotada, o fervor reinou numa arquibancada singela. Olhos atentos perseguiam cada nuança, cada movimento dos atores. Os erros fizeram parte da apresentação, mesmo os simplórios que poderiam ser evitados por pessoas sem atenção e dedicação precisa. E a roquidão me acompanhou mais uma vez. E se apoderou de mim como fio de alta tensão mais enroscado que o cinto que aprisiona o Tirésias. Para alguns o efeito foi ainda melhor, mas para mim, foi perder um trabalho construído em cima de muitas dores físicas e espirituais. Talvez a força de conseguir completar a cena tenha sido a única recompensa. E o elogio no fim não se destinava só a mim, mas também ao antigo Tirésias que construiu boa parte do meu atual trabalho. Mas a energia de estreia ainda irradia nestes poros.">J'ai pensé a ton bien et c'est pour ton bien je parle"

quinta-feira, 26 de março de 2009


Encaminho-me para o fim. Enquanto guardo na garganta rouca a expectativa de estreia, engulo a certeza dos dias contados e já proferidos. Ao mesmo tempo guardo no peito o medo de parar, de não prosseguir, de sucumbir enfim! Enquanto mais uma frustração amargo, vendo ricochetear outras aspirações que não me submetem a nada além do asco, da insensatez, do destempero autêntico! Prenunciam as emendas que se que virão... As substituições, as ansiedades. estou próximo. Talvez nesse dia, esteja em volta em trevas, tomando vinho numa taça.

segunda-feira, 23 de março de 2009


Tenho vontade de tomar para mim a saia rodada de toalha de mesa que Flávia desbunda todas as outras meninas, e rodar, rodar, rodar... Até desmaiar de êxtase. Não sei se felicidade são esses dias pintados de xadrez roxo e vermelho, mas calmaria me traz uma letargia angustiante. São os passos na escada não dados... A trança desfeita... O processo não evitado...São angústias que me fazem dormir na rede do corredor. Indecisões que não passam, permeiam. As perguntas que não silenciam numa boca muda. Desejos que não se completam, não são permitidos. Faltas computadas. Fisgadas no joelho, a saia encobriria minhas vergonhas

quinta-feira, 19 de março de 2009


Há meses posto aqui que ando a ler Os Desvalidos, fato que não acontecia. Comecei a lê-lo agora e estou estarrecido: como, tendo nascido tão próximo a mim, esse nobre senhor se manteve oculto de minhas leituras? As páginas em que preguei meus olhos me afiguravam como uma realidade intrínseca. Os lugares pelos quais Coriolano passava, as calçadas não descritas, a vizinhança pouco pronunciada, tudo me parecia tão familiar, tão meu. Independente dos anos que o contexto histórico da obra me afastava: senti-me parte desse processo. Minha memória afetiva reteve-se durante toda leitura a minha infância, com meu pai passando os mesmos privilégios e os mesmos dissabores que o protagonista, as velhas fofoqueiras que se acumulavam no parapeito, os doces que me viciavam, os amigos hoje ocultos. O Dantas me trouxe a lembrança de pessoas que estavam desvalidas dentro de mim, como é importante recuperá-las sempre.
Acho que é uma boa pedida para o meu pai...

sábado, 14 de março de 2009

Ver-te embebeda minha alma
A ausência de toque, paralisa-me
Não canso de implorar o seu-sem-sentido
que me força a verter sangue pelo ralo.
Quando vai atentar-se do pecado
De me deixar aqui: só.
Quantas vezes terei que bater na porta
para pertencer-te novamente?
"Abre essa porta, vai por favor,
Que eu sou seu homem vil"

Minhas lágrimas nunca antes derramadas
agora brotam a cada texto servil teu
Como queria estar nesse pedestal
E roubar a tua literatura.
E sonhar sempre com casas rabiscadas,
com as lembranças que são só minhas.
Com teu corte de cabelo antigo,
com a mesma farda límpida

Teus únicos rabiscos são nos olhos,
Vermelhos como os beijos de outrora
Fruto da erva que ostenta nos bolsos
E que repudia a minha história;.
Emprestarei minha biciclea,
para que pedales até o táxi que almeja
E chupe todas as balas e pirulitos
Que tua nobre inocência renegou.
Enquanto peço:
"Abre essa porta, vai, por favor,
Que eu sou seu homem, viu?"

sexta-feira, 13 de março de 2009

Todas as noites quando a água misturada ao sabão percorre meu corpo, e o resultado beira o ralo, me sinto menstruada. Há tanto vermelho escorrendo no chão que parece que meus pés sangram. E não é uma dor física, apesar do peso na coluna, é uma dor na alma, misturada com a sensação de trabalho feito!

Para ser Tirésias


Èpreciso sujar de vermelho,
a parte interna das coxas,
e espancá-las com afinco
Correr, numa velocidade indomável,
mesmo que te acorrentem pela cintura.
Subir andaime e falar enquanto isso
Ser cão: rastejar!
Contorcer-se!
Diferenciar as falas de um mesmo homem
Incorporar uma entidade
E ainda amedrontar o público

terça-feira, 3 de março de 2009


Tirésias não é meu, isso é fato. Não é simplesmente por não ter sido eu o autor de tamanho feito; falo da atuação em uma montagem em que às vezes parece que caí simplesmente de pára-quedas. Quando o vi pela primeira vez em cena, me pareceu impossível representar aquela mixórdia de crenças e desgraças que me apresentava, definitivamente estava fora das minhas possibilidades, do meu corpo que não sabia – e até hoje vacila - ao se expressar. Com um tempo, destinos se entrecruzaram, a proposta caiu em minhas mãos. Atenção nenhuma dispensei, aos poucos aquilo se tornou apenas uma faísca para conquistar um espaço que também deveria ser meu, espaço que necessitava –necessito, reconheço – Quando dei por mim, aquilo tornara um desafio. Ah, se meu irmão soubesse que pela primeira vez na vida algo me desafiou, e me entreguei a todos os sofrimentos morais e psíquicos que meus nervos não de aços poderiam suportar. Engoli uma vitória em meio a lágrimas que admirei e me ofuscaram. Uma vitória com o sabor amargo de coito interrompido. Depois uma substituição com cara de atestado de incompetência. Um longo caminho que me trouxe de volta a você Tirésias, com seu cheiro que impregna meus cabelos durante a semana inteira, com meu provar-se incompetente. Hoje, pesa em meu pé uma inflamação de um calo feito por ti, e na boca falta um pedaço de um dente que não fere minha vaidade, mas anuncia a perda irremediável e dolorosa de outra perda no mesmo céu. Tuas marcas hoje me preocupam! Tuas dores, latentes em suas trevas me dói agora, e não é apenas uma dor mental, caótica, agora é física! Em um corpo que lembra a minha velha e malfadada infância, que tolamente se protegeu de um mero vilão, que hoje torce para que da boca, dentes e dentes perca. Precisamos, velho Tirésias, resolver as pendências, consertar as mágoas e entrarmos num acordo. Talvez também não me queira, mas me disponho a sê-lo. Se isso não te basta, apenas me poupa! Para amargar um fracasso, vodka barata é insuficiente, mas as dores físicas em meu corpo não cessam, em minha boca me diminui muito. Não dispara as tuas flechas contra o meu coração...

p.s: Licença aos artistas maravilhosos da foto! E a fotógrafa Moema Cos

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Não sei porque eu ainda tento escrever aqui algo que ninguém compreende. Eu mesmo não compreendo. A pessoa interessada não compreende. E não me interessa se alguém entende, ou me corrigi, me conserta. Rotula o que eu sinto, o que eu penso, o que escrevo. Não me interessa se há pensamentos, teorias, artigosdesenvolvidos por pessoas que não provaram dos beijo que beijei. Do gosto de amora apodrecendo - os resto ainda exalando em minhas mãos - das feridantigas que serão sempre declamadas, porque doem!

Trata-se de uma declamação intestinal, com o que há de mais excretor em mim. Se os meus sentimentos fossem apenas matéria para divulgar um blog que não divulgo, seria mais fácilpintá-lo de rosa e escrever a la florbela Espanca, ou Gilka Machado. Há algum tempo a pretensão de ser literatura se esvaiu das linhas dos meus texto. Há alguns meses quenem sei ao certo o que é literatura (apostilas se acumulam na estante da minha consciência). Escrevo o que quero dizer e não esquecer, pois a memória é fraca e como reles mau autor, as palavras se costturam em minha mente de forma que não sei às vezes desemaranhá-las...e paro! porque a única coisa que realmente sei fazer é parar! Se já maie? Amei. È amor o que sinto. O meu amor. tão meu, que palavras superiores não o furtará, não esfacelará 9ninguém) o meu bem precioso. pra mim amor é troca sim, independente do que se receba de volta, porque amor sem troca é servilismo que beira à insensatez. Penso assim.

Recuperei a voz e os sentidos, não mais implorarei amoras que já caíram das àrvores. Permitirei que se transformem em aduboa para as minhas raízes. Só quero permanecer quieto, em meu espaço, sem ter que ser chamado para o duelo, pois levantar a bandeira da pusilanimidade foi o único ato de bravura que pratique. Permitam que minha mente seja a csa pré-fabricada que não li e não passem com esse trator acadêmico - ou literário - por cima das amoras do meu pomar. Não se preocupe, comprarei a tua poesia quando publlicá-la

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

É só cansaço mesmo. Continuo te amando depravadamente como antes, mas a dor física me fez ver, que preciso olhar um pouco mais para mim. Perder a voz por você é um exagero que não mais me exporei, ela é meu instrumento de trabalho. E você não merece tanto, ou talvez mereça. Se eu perdesse a voz e ganhasse teu amor de volta talvez compensasse. Mas sem ambos não dá. Se eu conseguir algum conhecimento stanislavkiano é apenas por osmose. A hora agora é de luta!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Escadas me fascinam, me encantam, me deixam zonzo. Praticamente hipnotizado. Mas nunca entendi o motivo, não decifrei o porquê. Hoje percebo que sou um ator escada, consigo atuar muito bem, mas sirvo apenas para alavancar boas atuações. Eu gosto de boas atuações, mas nunca consigo ser digno de uma. Ao meu lado, pessoas são elogiadas em cena, é como se eu conseguisse trazer para o outro o que entendo de teatro e de estar em cena, mas não recebo retribuição. Acaso devo ser egoísta e saber fluentemente apenas para mim, e tornar o outro um coadjuvante? Não sei não sei... O importante é me sentir bem, mesmo no outro, me sentir bem.

domingo, 8 de fevereiro de 2009


Quando eu lembro que te beijei, meu intestino revira. Há um rebuliço, um mal estar em mim que não passa. Ao recordar que minhas mãos percorreram seu corpo, tenho náuseas, asco. Abaixo minha cabeça e tenho vergonha. Esse passado não se apaga escovando os dentes, nem com os meses que se arrastam. Perdura latente, em cada corredor que transponho, em cada labirinto que adentro. Minhas culpadas mãos, mil vezes lavadas. Minha boca áspera,os nós dos meus dedos calejados. Fomos farsa. Música que não se toca, verbo que não se rasga. Hoje existe apenas o teu rancor e o arrependimento meu. Esteve sempre com a verdade, não nos completávamos em nada. Não poderia dar certo. Eu fiz a escolha errada e hoje sofro com essa tosse seca e as baforadas de cigarro alheio. E choro madrugadas adentro, enquanto novas conquistas são conquistadas por outras mãos: sãs.Prometi não mais idealizar o amor, isso faz anos, hoje me proponho a não querê-lo. Não tê-lo me impulsa a repudiá-lo. Louco. nisso me torno a cada tentativa frustrada e me deparo com felicidades alheias que não posso compartilhar e sim invejar. Tolamente. Invejo tanto amores mal passados. Visitas ao parque da sementeira. Beijos roubados. Namoro que perdura e todas às tardes tem o destino certo que o Augusto Franco/ Beira Mar conduz. A paixão não é má, apenas parabólica, e eu não consigo estar nessa frequência. Sou um tanto bicho! Um tanto fera. Tanto. amedontro. Repudio. Liberalismo de mais mata o corpo da gente, cara. Cultura demais. No fundo eu só queria ser gordo, feio, burro, alienado e completamente feliz.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Vai embora - ângela roro

Eu gostaria muito que você entendesse
Usasse toda a sua inteligência
E percebesse
Que é com você que eu estou falando agora
As suas vibrações me incomodam
Sua presença me perturba
Você nunca me ajudou
Por favor não me atrapalhe
Não se interponha em minha vida
Você não me é mais uma pessoa querida
Não se interponha em minha vida
Levanta, levanta por favor vai embora
Levanta, saia do teatro agora
Eu preciso de paz prá tocar e cantar

Dialogo com Deus!

Anda me sabotando todos os dias. quando essa infeliz implicância vai passar? Sabotagem! Sabotagem! Sabotagem! Eu quero que você... "Oh, senhor DEus, onde estás que não respondes? Me responda, pois estou sofrendo! Conviver com o ódio debaixo do mesmo teto não é nada fácil! OUvir a voz letejante, insuportável. Ver o cinismo ocultar-se atrás de olhos ilusórios! Te ver é torturante, me dá asco. "POr favor vai embora, saia do teatro agora"

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009


Põe a mão na minha cara e me esconde por favor! Preciso urgentemente de mãos cobrindo minha velha cara mascarada de tanta dor e cinismo. Cinico bem, imensamente cinico. Do mesmo modo que o Rodrigues, do mesmo modo que todos que julguei. Minto, a mentira é minha e ninguém compreende entende? A farsa que espalmava nos outros também se incorpora em mim, em todas as minhas atitudes que não repudio, não nego. O mentiroso de todas as vezes, percorrendo os bueiros, porque esgotos são um tanto poéticos, um tanto teatro. E eu sou muito menos que isso. Eu sou minimo. NãO cresci o suficiente, trata-se apenas de um tédio. tedioso eu, tedioso você, tedioso o mundo todo. O mundo roto, roxo, pouco! MAS MEU ENTENDE? Meu mundo repleto de faixas de pedestres que se quiser pode respeitar, se não atravesse antes do sinal verde e seja feliz! Seja feliz meu bem, muito feliz. quem sabe a gente não se encontre para tomar café e debater teatro. Quem sabe troquemos algumas máscaras e cantemos ângela Roro até o sol nascer de novo... Talvez discutiremos política... Você dirá os nomes dos ministros e eu direi que a única politica que conheço é a da Pagu. E gritarei que um dia nos veremos de novo... Por assuntos inacabados acabam um dia! quem sabe o nosso não termine quando seus lábios pintarem de vermelho o redor das minhas faixas... Passe por aqui! Atravesse, retorne

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Minhas dores e meu conforto: Fernanda


Saia dessa vida de migalhas, o vento já passou e você continua aí. Ele gostou, você sabe, mas és tão melhor, tão superior. Beira a inefabilidade da Antígona quando pronuncia suas palavras em cima do trapézio: Tédio. Talvez a palavra que resume todo esse amor congestionado. Não queria falar disso novamente, mas o livro do Stanislavski está me lembrando as aulas insuportáveis de Fonologia. Quando eu agia, eu agia, hoje me limito a berrar negativas. Sou uma negativa! Hoje levei alguém a uma rua deserta e trôpega, enquanto cantava à solidão que insisto em não me despedir. Olhos não meus, flertaram em mim, mas era apenas furto! A fernanda, me ensinou a gostar do dia assim que ele amanhece. Se o dia de hoje está ruim amanhã será melhor....

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Quando você surgiu, perdi a noção de qualquer movimento que me atrevia apresentar. Parei na tua atmosfera. Te quis, como o Rogério quer a Joana. Fiz promessas, mas não me atrevi, por respeito, medo meio profissionalismo. Hoje me dizem que não te tive por ser liberal de mais, por ser firme em minhas decisões: uma fortaleza. Mero engano, sou frágil como uma bolha de sabão, fraco em todas as minhas escolhas. Tenho medo e tremo, me arrependo e existe tanto despreparo em mim. Se aparento algo a mais, uma força maior, é porque não me permito perder mais do que já perdi. Porque já errei muito, e agora é proibido pecar. Sabe? Tenho sonhos, projetos que não posso atraiçoar! Mas sigo vivendo uma vidinha: “um dia de santa, um dia de puta, um dia de Joplin, um dia de Teresa de Calcutá, um dia de merda” Você, infantilmente, me tornaria um homem de verdade. Não sou esse escândalo que a tua discrição me descreve, apenas não me permito amar em silêncio. Mas amo o teu silêncio. Silencie por nós. Mas escorres das minhas mãos incolor e prepotente, como antes. Como quem me traçou uma puta, me beijando num colchão sobre efeito do álcool e beijando em mesma situação, alguém tão trivial. Me rebaixem menos, porque gaivotas trazem me u amor... Gaivotas trazem meu amor.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009


Há um nariz de palhaço embaixo da minha cama. Não consigo visualizá-la como máscara, nem disfarce. Representa a minha falta de tato, atuação, pontuação. Vejo no meu quarto o que tento ser e não consigo. A inocência talentosamente exata versus a criatividade tipicamente regional. Numa cama plantas corroídas por metros e metros de eletricidade, do outro lado cordéis pendurados. E minha cama pende, mas não desaba.
Eu já tentei escrever poemas, um livro, mas minha sensibilidade não flui. Já tentei ler Os desvalidos, estudar coisas da faculdade, escrever um artigo... Não dá! Eu não sei me expressar, é isso! Verdadeiramente não sou um personagem, nem tenho o perfil que atrai. Não me pintem uma máscara maior que o meu rosto. Eu não quero que o ócio agrade. Ele não deve jamais agradar. Mas tenho dormido tanto.
A ponta do grafite ameaça cair... Troco três canetas bico fino (como antes me agradavam) em um lápis como apontador. Saudades Flor, você faz falta, prometo aguar tuas plantinhas amanhã.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Você me causa um asco repugnante. O teu jeito de ser familiar, desestruturado! A tua loucura que poucos conhecem. A tua obsessão que não nega. O teu olho que ilude. Eu sei dessa tua máscara! Você ainda pretende fazer uma realmente? Não sei, quem sabe confunda alguém. Escove os dentes ao menos. E lave as mão, porque o cheiro do teu barato cigarro impregnou minha vida e atrapalhou minha melhor peça! Agora brinca de ator com uma pose fascinante. Detesto novos atores fascistas. Destroem uma peça aqui, tentam montar outra ali.Você é assim: Uma pose! Talvez esteja no lugar certo e eu no lugar errado! Te aturar diariamente é um caos que minha mente não projeta mais. Eu não sinto mais medo, só incômodo! Quero te ve fora!

domingo, 25 de janeiro de 2009

POr favor, não me lembre que eu planejei tanto. Que joguei tantos lenços ao vento e tantas palavras no esgoto interior. Esqueçamos, eu te imploro, todas as minhas juras, súplicas e pedidos. Esqueçamos todos juntos, porque eu não quero me rebaixar mais. MInha pele se torna cada dia mais árida pelo contato com o cimento, e eu peno, penso... Muito! Em tudo. A decadência pode vim numa suavidade repugnante, sem nenhum charme e celeuma que hipnotiza os transeuntes. Eu quero apenas passar por aqui, sem exprimir opnião nenhuma. Eu não sei exprimir opnião acreditem. Eu me entalo, engasgo. E imponho cada pré-conceito mesquinho. Eu sou um ser repugnante, não acho outra palavra, e não se trata de nenhuma desventura, aventura, ou atitude, se trata de caraminholas que existem na minha cabeça! Não me dê "importança", eu não a quero. Queria ter mais molho. Para dilatar cada verso que minhas memórias decodificam. Eu não quero ma sentir assim, não quero falar em primeira pessoa... Me falta um jornal, para embasar....
E eu puta que pariu... Não estou nada bem!

Não me pergunte o que falta, sempre falta. Talvez seja o vazio existencial do Dudu e da ISa, talvez seja eu apenas. Mas eu queria correr na frente e não te entregar de bandeja a ninguém. às veze sinto que as pessoas chegam a minha frente sempre, porque eu me recuso a lutar, lutas deixam chagas, e chagas eu não quero mais!

Sentaram-se na escada mínima e serviram-se do corrimão como apoio:
- Não existe mais nada?
(silênncio)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009



O Laços e nós está um ano desativado. Um ano sem Carla, uma ano sem meu grande amor, sem minha vida, sem minha atriz, sem minha melhor amiga. Sem a única pessoa que realmente importava. Carla se cala! Parece estranho que ela mudou tanto e tenha me mudado deveras. Acho que a navalha foi direto na minha carne, esculpido e contornando cada detalhe que me prejudicou nesses trezentos e sessenta e cinco dias. Mudei muito, beijei quem queria, quem não queria, quem não devia. Fui submisso, corrupto, incorreto. Fumei amor, confesso! Todos os cigarros que repudiei na tua boca! E tentei inutilmente conservar alguns resquícios seus, mas acho que nem você os detém de fato!Amor, você faz falta, e nada será como antes, mas te quero de qualquer jeito porque raspas e restos me interessam!

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Anônimo

Quem és tu, oculto entre meus post's? Eu te conheço? Mesmo que não te conheça, queria muito te conhecer! Identifique-se por favor. Sou geminiano, curioso dos pés a cabeça. Que bom que gosta dos meus textos, e não do tema, talvez seja porque toda história de amor beira a chatice! Gosta das minhas, e as escrevo aqui! Uso outras temáticas em outros textos, e confesso que não me saio tão bem! Não gosto de falar do que me cansa! me permita ser egoísta aqui, no meu blog

p.s: a frase da clarice me motiva sempre! inclusive faz parte da minha história, das minhas cartas, das minhas melhores amizades! Eu e Savanna escrevíamos um para o outro nos justificando com essa frase. POr isso seja quem você for mexeu muito comigo! Eu estava precisando disso!

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Stanislavski ! De novo, sempre, não ao pé da letra e adaptando!

A preparação do ator

“O ator hoje, tem muitas vezes de decidir se prefere ser popular ou ser bom ator” pg 20
-Buscar a verdade, a realidade e o estilo na atuação
“a presença do diretor em todas as representações melhora a disciplina e a fidelidade ao clima original dos ensaios, que, de outro modo, se arrisca a deteriorar-se durante uma longa permanência em cartaz” pg 20
“mas no teatro vivo falta escritores, escritores capazes de trabalhar junto com diretores”
“È difícil despertar a vontade criadora, matá-la é facílimo” pg 29
“Enquanto a atuação ,mecânica utiliza estereótipos elaborados para substituir os sentimentos reais, a sobreatuação, o exagero, pegar as primeiras convenções humanas de ordem geral que aparecem e dela se servem sem sequer defini-las ou prepará-las para o palco. O que se deu com você é compreensível e desculpável num principiante. Mas tenha cuidado no futuro, pois a sobreatuação amadorística se transforma no pior tipo de atuação mecânica. Não repita esse tipo de trabalho sem sentido que nos demonstrou e que acabo de criticar. Terceiro, nunca se permita representar exteriormente e que nem ao menos lhe interessa” pg 57
“O que quer que aconteça no palco deve ser com um propósito determinado” pg 65
“A essência da arte não está nas suas formas exteriores, mas no seu conteúdo espiritual.”
“Em circunstância alguma, qualquer ação cujo objetivo imediato seja o de despertar em sentimento qualquer por ele mesmo” pg 71
“ È isso o que nós fazemos com a obra do dramaturgo. Fazemos viver aquilo que se oculta sob as palavras” pg 82
“A imaginação cria coisas que podem existir ou acontecer, ao passo que a fantasia inventa coisas que não existem, nunca existiram, nem existirão” pg 88
Preciso buscar imagens interiores
“Cada movimento, cada palavra que dizem, é resultado da vida certa das suas imaginações “ pg 103
“O ator deve ter um ponto de atenção e este ponto não pode estar no auditório” pg 110
“ Concentrar-se num foco de luz no meio da escuridão é relativamente fácil” pg 110
“O ator deve escolher o objeto de sua atenção no palco, na peça, no papel, e no cenário” pg 114 (obejto-próximo)
“Em caso de incerteza, decida por si. Pode errar, mas não hesite” pg 115
“Círculo de atenção: conjunto de pontos de atenção” pg 116
Solidão em público: o ator se encerra dentro de um círculo de atenção.
A atenção interior está diluída nos cinco sentidos
“Em cena, em qualquer pose ou posição corpora há três momentos: Primeira: tensão supérflua, que vem, inevitavelmente, a cada pose adotada e com a excitação de executá-la em público. Segunda : o relaxamento automático dessa tensão supérflua, sob ação do controlador. Terceira: a justificação da pose, quando por si mesma ela não convence o ator”
“É isto que devem fazer com os pedacinhos de papel: ensopá-los cada vez mais no molho das circunstâncias dadas: quanto mais seco for o papel, mais molho será necessário.”
“o Objetivo se divide como as unidades, que tem cada objetivo criador como foco”
“O nome certo que cristaliza a essência de uma unidade, descobre o seu objetivo fundamental. O objetivo deve empregar um verbo”
“Substantivo evoca um conceito intelectual de um estado de espirito, uma forma um fenômeno, mas só pode definir o que é apresentado por uma imagem, sem indicar movimento , ação” pg 161
“Cada vez que saía de cena e ia para os bastidores, eu parava de representar. A conseqüência foi que a linha lógica da minha ação física ficava interrompida. Nem em cena nem sequer nos bastidores o ator pode tolerar essas rupturas na continuidade da vida de seu papel. Elas criam lacunas. Estas, por sua vez, deixam-se preencher com pensamentos e sentimentos alheios ao papel” pg 182 (vida de um corpo humano)
Criar a vida física e espiritual do personagem
“Os atores , como os viajantes, acham muitos meios diversos para chegarem ao seu destino: há os que experimentam realmente, fisicamente, seus papeis, os que lhes reproduzem a forma exterior, os que adornam com os truques do ofício e atuam como se representar fosse uma profissão qualquer. Outros transformam o papel numa conferência seca e literária, e há os que se servem dele para se exibir vantajosamente aos seus admiradores” pg 186
“Esse sinaleiro é o seu senso da verdade, que colabora com o seu-senso-de-fé-no-que-está-fazendo, para mantê-lo na trilha certa” pg 186
“Também na vida rela, muitos dos grandes momentos emocionais são assinalados por algum movimento comum, pequeno, natural “ pg 186
Não elogiar o ator, mantê-lo em banho-maria
“Cheguem à parte trágica dôo papel sem estremeções dos nervos, sem sufocações, nem violência, e , sobretudo não o façam de repente” pg 189
“ Quando forem forçados a passar por uma tragédia não pensem de modo algum nas suas emoções: pensem naquilo que devem fazer”
“O que eu procurava em arte é algo natural, algo de organicamente criador, capaz de instalar vida humana em um papel inerte”
“preferem punhado de baixas verdades”
À ficção que nos ergue acima de nós
“O que sobe alto é a imaginação, o sentimento, o pensamento” pg 196
“O inesperado é uma alavanca eficienticssima no trabalho criador” pg 205
Memória emocional: são emoções que você revive ao representar. Memória das sensações: baseada nas experiências e ligada aos cinco sentidos. A vista e o ouvido são os mais sensíveis. Apenas os detalhes impressionantes ficam
“O tempo é um esplêndido filtro para os nossos sentimentos evocados. Além disto, é um grande artista. Ele não só purifica, mas também transmuta em poesia até mesmo as lembranças dolorosamente realistas” pg 212
Lembranças em movimento intenso
Não perder tempo com lembranças e inspirações que vieram uma vez e não vÊm mais, deixem que venham e vá embora.
“Nunca se perca no palco. Atue sempre em sua própria pessoa, como artista. Nunca se pode fugir de si mesmo. O instante em que você s e perde no palco marca o ponto em que deixa de verdadeiramente viver seu papel e o inicio de uma atuação exagerada e falsa” pg 216
“Nunca comece pelos resultados. Eles aparecerão com o tempo, como conseqüência lógica do que se passou antes” pg 225
“ Em caso de uma mem´ria de emoções muito fraca, o trabalho psicotécnico é ao mesmo tempo, amplo e complicado” pg 226
“Memória da emoção: presente principalmente na comunicação com outros seres humanos” pg 230
“Dar ou receber alguma coisa de um objeto , mesmo fugazmente, é um momento de intercâmbio espiritual” pg 237
Plexo solar?
“ O centro cerebral parecia ser sede da consciência, ao passo que o centro nervoso do plexo solar seria sede da emoção” pg 240
“Que tortura contracenar com um ator que olha para nós e vê outra pessoa, que fica o tempo todo a ajustar-se não a nós, mas a essa outra pessoa” pg 244
“”A platéia é para nós a acústica espiritual” pg 245
Stanislavski ap´rova: a autocomunhão, a comunicação com um objeto ausente ou imaginário, a comunicação direta com o objeto em cena e indireta com a platéia”

“Se os olhos são o espelho da alma, a ponta dos dedos são os olhos do corpo”
“A irradiação e a absorção das emoções devem ocorrer facilmente, livremente, sem qualquer perda de energia”
“Adaptação para significar tanto os meios humanos internos quanto extrenos, que as pessoas usam para se ajustarem umas às outras, numa variedade de relações e, também, como auxílio para afetar um objeto”
Forças motivas interiores: a imaginação (a mente), o pensamento, a vontade. Utilizá-los naturalmente para também criar outros. Deve haver equilíbrio”
“O ator vive, devora e ri e, o tempo todo está vigiando suas próprias lágrimas e sorrisos. È esta a dupla função, este equilíbrio entre a vida e a atuação que faz sua arte” pg 317
Tudo deve apontar para o superobjetivo
Todos os exercícios tem como finalidade estabelecer direção para o superobjetivo
Eterno moderno e momentêneo
“Acima de tudo conservem o superobjetivo e a linha de direta de ação. Desconfiem de todas as tendências estranhas e dos propósitos alheios do tema principal” pg 329
Três aspectos importantes do processo criador
1 – a garra interior de preensão
2 – A linha direta de ação
3 – O superobjetivo
“Não me procure para isso. Meu sistema nunca fabricará inspiração. Pode apenas preparar um terreno favorável a ela. Se eu fosse você, deixaria de correr atas desse fantasma, a inspiração. Deixe-o por conta daquela fada miraculosa, a natureza, e dedique-se aquilo que está nos domínios do controle humano e consciente” pg 331
“No primeiro período da elaboração consciente de um papel o ator busca, tateando, chegar à vida de sua parte, sem entender completamente o que se está passando nela, nele mesmo e em volta dele” pg 335
Procurar o super objetivo da peça no autor e nos atores

Como descrever tudo isso? È um misto de dor, revolta, humilhação e muito amor descompassado. Eu sei onde anda o teu pensamento, tentando se esconder do enfrentamento, do cara a cara com ele. Te vejo fugir dos dois. Escorregas até quando? È duro não representar nada, cruel não ser ninguém . Ser apenas outro entre tantos! E parece que desvias. Eu me sinto tão anti-poético ! Queria usar apenas símbolos, aqueles extremamente triviais para demonstrar o que sinto. Tipo coração espetado! Molho de chaves abandonadas. Eu queria apenas você perto. Como antigamente, sei lá! Se permita, nos permita apenas uma tarde na sementeira, como antes. Quando não havia a tua tatuagem, quando o teu piercing era outro, quando eu tinha medo e sonhos. Quando ainda silenciava, e era duro dizer “te amo” . Quando os olhos se encontravam vorazes e não se desgrudavam, e a maior ofensa era um “que foi?”. Me permita por algumas horas viver um sonho que não volta, me permita. Se permita. Porque apesar de tanto desprezo ainda há um pouco de vontade. Não acredito que tanta erva, ao invés de ter te deixado em brasa, enregelou seus sentidos. Não posso crer no teu não. Não posso crer que treme... Por medo de enfrentá-lo? Eu estou bancando o otário nessa história toda, não é mesmo? Eu peço para voltar, porque não quero recorrer aos teus erros. Erros que junto as minhas palavras derradeiras tornou um amor tão lindo: vulgar.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Para falar de teatro


Assisti outro dia na tv, as intempéries no caminho artístico de Jackson Antunes, e o ator citou o livro A Preparação do Ator do famoso Stanislavski, que por coincidência eu lia no momento. O livro foi citado como uma verdadeira bíblia, e confesso que a sua leitura superficial não é útil. è preciso ler o livro diversas vezes, respirar fundo, analisar cada comentário, cada proposta do sistema, e ainda tentar trazê-la da Rússia do começo do século XX, ao Brasil do século XXi, principalmente Aracaju, com sua realidade exótica. O fato é que o Stanislavski nos propõe uma verdadeira revolução, que só surte efeito quando aprendido completamente, correndo o risco inclusive de se obter o efeito contrário.
Pontos importantes: Memória emocional - preencher o seu personagem com as suas próprias lembranças, guardando a principal delas, extraindo a sua verdadeira emoção, atribuindo-na ao seu personagem. A divisão em unidades e objetivos. Cada detalhe, cada nuance deve ser observado, deve ser enquadradro em um objetivo, o objetivo daquela unidade, esse objetivos formam uma linha contínua que tem como única direção O SUPER_OBJETIVO da peça! Complexo não? E ainda tem muito mais que esqueci, só recorrendo as minhas pequenas anotações. Mas mínimas coisas são importantes: concentrar-se em seu personagem durante os intervalos, para não enxertá-los com lacunas. Sem falar na importância do trabalho corporal, voz, dicção, dança - me ensinou a aturar a Lana. As dúvidas ainda existem: o que é ponto de tensão que estragou a apresentação de uma atriz com um ponto de tensão na sobrancelha? Como descobrir seu ponto de tensão? E essa fixidez em perfil será que deve existir?

sábado, 17 de janeiro de 2009


"Quando eu vim para esse mundo, eu não atinava em nada"

Eu queria ter marcado tanto, como umescandâlo, mas tudo que aprontei não serviu para isso. Se tivessemos ficado de mal, se sobrasse ódio e só, talvez fosse mais confortável. Mas só sobrou o frio e a solidão da Ângela e mais nada, tenho que concordar: "O grande escandâlo sou eu aqui, só" Talvez eu devesse ser escandaloso, fumar carteiras e carteiras de cigarro, plantar erva no meu armário e tatuar na pele uma garrafa de vodka. Alguma coisa dessa te hipnotiza não? No fundo eu não queria ser o calmante da tua dor, mas aprendi com o Cazuza que "raspas e restos me interessam". Eu não acredito que não tenha sobrado nada, que nada tenha ficado, esteja. É impossível ! Eu não fui o primeiro? Eu não machuquei e feri tanto? Isso fica! Poxa, como fica. Eu me sinto como no mágico de Oz, minuscúlo, tentando insistentemente abri a tua porta. Fica bem, meu bem, já que se fere me ferindo tanto!

Mulher sem razão ouve o teu homem!

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009


Tudo isso me irrita tanto, meu bem. Todo esse descompasso, esse silêncio, esse corpo pequenino se expressando em fuga. Enquanto corro atrás e vejo apenas outros amores, outras amoras do seu campo, enquanto na nossa casa, as fruteiras estão infertéis, as paredes descascadas e o teto desabando. Desabamos! "Meu mundo... Caiu!", talvez seja isso, caiu mesmo, meu orgulho, meus brios, minha vontade, meus desejos, a honra de nunca ter me curvado, me humilhado à você. Isso te tornava diferente, novo no meio da velharia. Todo esse teu desprezo te iguala. E iguais não somam equações. Cada dia me canso mais de carregar a culpa nas minhas costas dos erros. Se perco por ter dito as palavras derradeiras, pecastes por inércia. Inerte só a mim. ainda me iludo que representei um pouco ou mais nessa farsa. Errei por exigir uma lutinha que fosse, mas a guerra só veio para outros braços, não castos, insensíveis aos meus olhos. A lilith me mostrou que assuntos inacabados acabam um dia. Talvez o nosso acabou mesmo. Estou sim entregando os pontos, impostarei meu nariz, tirarei o pó das mãos e dos calos, deletarei as músicas e não verei mais. Imerso numa cegueira leitosa, assim é melhor. Para não atrapalhar. Para não receber nenhuma resposta, nem tirar nenhuma conclusão do que leio. A Maysa errou também, traiu, mentiu mas amava sem calma! Mudou tanto! e não foi graças a mim, e o fato de não me querer me atrai profundamente, mas largarei o cheiro, desinfetarei os hematomas e rabiscarei teu nome de todos os meus textos. Porque não há mais poesia com a tua ausência!

p.s: Fiz promessa para que junto com a senha tenha perdido o meu endereço também!