sexta-feira, 26 de junho de 2009

Não. as lagrimas não irão cair. Já esperava por essa notícia virtual. Já previa isso, e confesso que demorou bastante. Deve estar realmente feliz, fiz as contas e me sobrou apenas vergonhas e tristezas. Quanta vergonha tenho de toda uma farsa que pintamos, mas que acreditei piamente. Agora, tenho medo de me envolver novamente. Tinha medo de se machucar e eu que sai ferido. Há apenas miolos de tédio e saudade emaranhado em pedidos ímpios de mudança. Estou assujeitado de tanto que me anulei a você. Fui viril o suficiente, mas agora não sei mais. Você me tomou tudo com hostilidade. Nem mais sei fingir com sorrisos infantis. Estou velho e gasto, não vejo futuro nas minhas mãso, não vejo poesias no que escrevo. Alguém abra a porta por favor, porque aqui é escuro e infernal. És o meu inferno. E sinto uma falta danada dos ciúmes inventados, dos beijos dados obrigatoriamente, das dúvidas que teimavam em não ir para a cucuia. Sofro meses depois, sempre é assim. A ficha demora a cair e sofro só

Um comentário:

Manuh Andrade disse...

é melhor a dor da realidade do que a "felicidade" de uma farsa