sábado, 19 de fevereiro de 2011

O transeunte

Procuro no escuro
de todos os rostos
Um transeunte
- único, derradeiro -
Que traga a última
pintura da minha casa.
Procuro o transeunte
desesperadamente,
como quem se cansou
de jogadas, flertes,
telefonemas, postais,
doses e doses de
álcool, alguns cigarros
e várias feridas.
Este transeunte
não surge nas madrugadas.
Causa, ao contrário,
bruta insônia, dores
abdominais, ânsia,
asma, azia.
O transeunte,
presente nos lugares
por onde passo
em seu encalço.
- Um dia paro de persegui-lo!
Um dia piro,
por me tornar
uma parada.

Um comentário:

junior disse...

Foi dada a largada para uma procura frenética sem um ponto de chegada, apoio ou certeza...