domingo, 10 de julho de 2011

Reclamações da escrita...

Se eu disser que já escrevi o suficiente por hoje estou mentindo. A escrita permanece aqui engasgada. A palavra entalada na garganta, o signo entre os dedos. Quero dizer, quero dizer. Mas só há procuras, só há vazios. Espaços em branco. Não-lugares que você não preenche mais. Que eu não preencho. Você também é literariedade, um signo. Você, idealização da minha escrita pobre, das minhas rimas miseráveis. Fazendo da vida privada uma cópia, uma mimésis mal interpretada, um plágio de mim. A escrita ocupando os sentimentos, a escrita como um fantasma a rondar minha casa, a me torturar. Ela a te engolir em necessidades loucas, a te devorar pela necessidade de te ter como referência. A escrita é pedra, abismo, arma de fogo prestes a vomitar. É cratera, poço onde me afundo, me afundo, vou bem fundo e volto, tal qual a Ângela Rôrô. E quando volto, piro, dou respostas ácidas, termino relacionamentos e retorno a você, musa da minha escrita, persongem da minha farsa. Você que não é você, entende? É apenas um personagem parecido, distante das tuas indecisões, dos teus vazios, dos teus podres pensamentos, dessa necessidade sua de ser o centro. A escrita, é ela quem te pede de volta, ela quem te espera, e te quer mais solícito, menos indiferente. E é ela, a escrita, não eu. É ela quem implora, se ajoelha, reclama. Eu, sou só seu corpo. Submisso à escrita... E a você?

Um comentário:

Mônica Araújo disse...

Muito bacana,esta postagem,tal como você,profundo,gostei da comparação com a Ângela RoRô!